Calar a boca dá privacidade

Há coisas que não devemos revelar: a pirataria de um sítio web, a compra de criptomoedas e de ouro, um assalto, etc. Para evitar sermos identificados, devemos utilizar tecnologias que permitam o anonimato (como o Tor e as redes privadas virtuais), pagar em dinheiro e não mostrar documentos de identificação, isso é claro. No entanto, esquecemo-nos muitas vezes de algo muito básico: calarmo-nos.

Criar uma identidade digital anónima, por exemplo, é muito simples: registas-te com um nome de utilizador num sítio web utilizando uma VPN ou o Tor e carregas conteúdos. Perder esse anonimato, por outro lado, também é muito fácil: basta revelar alguma informação relacionada com a tua identidade real. Estas identidades digitais podem ter dados, mas têm de ser falsos. A forma como escreves também pode revelar a tua verdadeira identidade, pelo que é aconselhável fazer um esforço para mudar o teu estilo de escrita.

As pessoas com quem interagimos não devem saber nada que queiramos manter escondido, mesmo que sejam pessoas em quem confiamos. Nunca sabemos se as pessoas em quem confiamos hoje continuarão a ser de confiança amanhã. O vigarista que vendeu a Torre Eiffel duas vezes, Victor Lustig, foi preso porque a sua amante ficou com ciúmes de uma relação que ele tinha com outra mulher e decidiu denunciá-lo.

É claro que muitas vezes queremos mostrar as nossas proezas. Queremos gabar-nos dos nossos hacks, queremos exibir-nos.... É melhor não fazer isso. É melhor ser humilde e inventar uma desculpa. «Esse dinheiro foi-me dado pelo meu pai»; «Tenho criptomoedas, mas não muitas»... Em suma, o melhor a fazer é ficar calado se não quiseres ser apanhado e não quiseres estar no centro das atenções. Não sejas o tolo que se gaba de ter comprado 100 gramas de ouro e vê a sua casa assaltada no dia seguinte.

Criar um serviço oculto para um sítio web no Nginx (clearnet e darknet)

Queres criar um sítio web usando um servidor Nginx e também queres ter esse sítio web como um serviço oculto para utilizadores do Tor? Aqui está como fazer isso no Debian GNU/Linux.

Primeiro instala os seguintes pacotes:

sudo apt install nginx tor

Depois descomenta as seguintes linhas do ficheiro /etc/tor/torrc:

#HiddenServiceDir /var/lib/tor/hidden_service/
#HiddenServicePort 80 127.0.0.1:80

Eis o resultado:

HiddenServiceDir /var/lib/tor/hidden_service/
HiddenServicePort 80 127.0.0.1:80

Em seguida, reinicia serviço do Tor:

sudo systemctl restart tor

Ao reiniciar, o Tor cria o diretório hidden_service/ e preenche-o com o URL do serviço oculto (ficheiro hostname) e as chaves pública e privada.

Se tivermos o Nginx e o Tor a funcionar como serviços e formos ao endereço em /var/lib/tor/hidden_service/hostname, podemos ver a página de boas-vindas do Nginx.

Por defeito, o sítio Web para o Nginx deve estar localizado no diretório /var/www/html/. Portanto, só precisamos desenvolver o sítio web nesse local. Não importa se usas a URL do Tor ou um URL convencional, o sítio web é o mesmo. Tem em conta que, para que as ligações a outras páginas do teu sítio web funcionem utilizando URLs .onion, é necessário usar URLs relativas.

Extra: adicionar cabeçalho .onion disponível

Continúa leyendo Criar um serviço oculto para um sítio web no Nginx (clearnet e darknet)

A Internet tem inquilinos e proprietários, o que és tu?

Muitos queixam-se de serem censurados na Internet, de não poderem falar abertamente sobre determinados temas por receio de perderem alcance e receitas, etc. Dependem de plataformas sobre as quais não têm qualquer controlo, são como inquilinos que podem ser expulsos a qualquer momento. Quando publicas no X, Instagram, TikTok, YouTube..., estás a utilizar a plataforma (alojamento) de outra pessoa. No momento em que deixas de ser rentável e os anunciantes ou os proprietários da empresa não gostam de ti, censuram-te, expulsam-te.... E não podes fazer nada quanto a isso. Ou podes?

A forma mais económica de se proteger contra a arbitrariedade de uma plataforma é utilizar várias. Se uma plataforma falhar, ainda há outras. O melhor, na minha opinião, é utilizar uma plataforma livre que faça parte de uma rede descentralizada. Se não ficares convencido com nenhuma plataforma, podes criar a tua própria. É caro? Não. Graças ao protocolo ActivityPub, é muito barato criar uma instância no Fediverso. O Fediverso é uma grande rede descentralizada com a qual podes chegar a milhões de utilizadores. Podes escolher o PeerTube para carregar vídeos, o Mastodon para criar e partilhar publicações curtas, o Lemmy para discutir com outras pessoas...

Também podes comprar um nome de domínio por muito pouco dinheiro e criar um sítio web num servidor que alugues ou instales em casa. Para te proteger ainda mais contra a censura, podes também criar um serviço oculto do Tor.

Podes também criar uma lista de correio ou uma lista de distribuição num programa de mensagens. Com este método, as tuas mensagens chegam diretamente aos destinatários, sem depender de algoritmos arbitrários que podem limitar o teu alcance. Se fores o proprietário do servidor a partir do qual envias os teus correios, tens mais controlo, és o soberano.

Em suma, o truque para evitar a censura e a arbitrariedade dos grandes proprietários é ter a tua própria plataforma ou canal. Se isso não for possível, o melhor a fazer é ter várias contas espalhadas por diferentes plataformas. Assim, se fores censurado numa delas, continuas a ter as outras.